CIÊNCIA HOJE

CIÊNCIA HOJE

Ciência Hoje de março de 2008

DESTAQUES 
Os 50 anos da bossa nova – uma estética despojada
Há meio século, uma geração de jovens cantores, instrumentistas e compositores do Rio de Janeiro mudava radicalmente o samba. Esses cariocas de classe média aproveitaram dados do jazz e do bolero para criar um estilo musical intimista, batizado de bossa nova e hoje difundido por todo o mundo. A intenção era fazer com que a música popular acompanhasse o momento histórico que viam como moderno, valendo-se de uma estética despojada. Meio século depois, CH celebra o aniversário dessa proposta cultural que se vem atualizando constantemente.

 O leitor pergunta 
- Como acontece o fenômeno dos raios-bola?
- Quanto tempo demora para um carboidrato ingerido se transformar em glicose em nosso corpo?
- O que são doenças auto-imunes?
- Por que as árvores do cerrado são retorcidas?

Entrevista: Andrew Whiteley – Amigas invisíveis
O entrevistado da CH 246 é o ecólogo inglês Andrew Whiteley, especialista em bactérias do solo. Ele fala sobre como esses microrganismos são capazes de sobreviver aos mais diversos ambientes e discute a sua importância para a vida na Terra. Atualmente, o pesquisador trabalha em um censo sobre a densidade e a distribuição geográfica de micróbios de solo. 

Mundo de ciência  
A seção Mundo de Ciência desta edição traz como destaque o feito do biólogo norte-americano Craig Venter e sua equipe, que sintetizaram a maior seqüência de DNA já produzida pelo homem. É a primeira vez que o genoma inteiro de uma bactéria é sintetizado. Leia também, entre outros destaques, sobre a relação entre a obesidade e vários tipos de câncer e sobre o perigo da utilização de remédios para emagrecer sem o aval médico

A propósito: O fim do macho?
Um grupo de pesquisadores ingleses criou espermatozóides humanos a partir de células-tronco obtidas de óvulos femininos. O feito é o tema da coluna A Propósito de março, na qual Franklin Rumjanek discute um cenário futuro possível em que os homens poderiam deixar de ser indispensáveis para a reprodução humana. Embora isso ainda não seja tecnicamente factível, o colunista lembra que nenhuma barreira é eternamente insuperável

Invasão de plástico nos oceanos
O plástico está entre os principais poluentes que ameaçam os ambientes marinhos. Ele pode ser encontrado nos oceanos na forma de produtos finais (fios, sacos, garrafas) ou de grânulos, que são pequenas esferas utilizadas como matérias-primas pela indústria. Esses grânulos chegam aos mares por falhas na produção ou no transporte e podem causar diversos problemas econômicos e ambientais, como discute este artigo da CH de março.

Um novo estado da matéria – a fluidez com pares separados
Há 100 anos era descoberto o fenômeno da supercondutividade, em que a resistência elétrica de metais cai a zero quando resfriados a baixíssimas temperaturas. Anos mais tarde, foi descoberta a superfluidez, na qual a matéria ecoa praticamente sem atritos. Este artigo mostra como físicos brasileiros estão ajudando a desvendar o fenômeno da superfluidez com pares quebrados, em que os átomos aparecem livres, sem estar emparelhados.

O dente adequado para cada um   
A dentição é capaz de revelar muito sobre os hábitos alimentares de um animal, mesmo que ele já esteja extinto. Graças a sua constituição, os dentes são capazes de resistir à ação do tempo e, muitas vezes, permanecem bem preservados. Por meio de estudos da dentição de animais extintos, paleontólogos tentam descobrir como diferentes grupos surgiram e evoluíram ao longo da historia da vida na Terra, como mostra este artigo da CH 246. (1,1 MB)

Em Dia 
Confira as últimas notícias da ciência brasileira:
- Estudo aponta um aumento significativo de páginas de conteúdo neonazista na internet
-
Corredor ecológico permitirá que onças da caatinga interajam com outros grupos da espécie
- Falta de inovação eleva o custo de remédios contra a Aids
- Laboratório da UFRJ estuda o uso de vespas para o controle biológico de baratas
- Pesquisadores buscam revelar gene responsável pela epilepsia
- Fósseis de 80 milhões de anos podem indicar um elo na evolução dos crocodilos

Opinião: Biodiversidade – um bem a ser valorizado
A biodiversidade é um produto estratégico, por ser matéria-prima para a bioprospecção e para o desenvolvimento biotecnológico, mas não contribui para o PIB brasileiro de acordo com sua magnitude. Neste artigo de Opinião, Charles R. Clement, do Inpa, discute o potencial valor estratégico da biodiversidade brasileira e a necessidade de maiores investimentos em pesquisa cientifica e inovação tecnológica para que ela se converta em valor econômico.

Primeira Linha
A seção Primeira Linha desta edição traz dois artigos. O primeiro apresenta um grupo pouco conhecido de invertebrados: os onicóforos. Esses seres estão na Terra há cerca de 570 milhões de anos e vivem escondidos em cavernas, sob pedras e troncos. O segundo artigo discute a dificuldade, nas ilhas da costa brasileira, de se controlar o crescimento de espécies exóticas. O conhecimento das relações entre espécies introduzidas e nativas é essencial para a conservação e recuperação desses ecossistemas.

Comentário do blog: a revista Ciência Hoje é uma publicação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC. É pois uma publicação científica multitemática relevante. Recomendamos a sua leitura. Como ela só chega a algumas bancas em Fortaleza é necessário fazer assinatura. Utilize o site: http://cienciahoje.uol.com.br/view/712 , sirva-se do fone 0800-727-8999 (ligação gratuita/de 2ª a 6ª feira, das 8h às 20h) ou envie email para contato@cienciahoje.org.br .